A política partidária contaminou a PM do Ceará?

Por Eliomar de Lima 21/02/2020 - 10:49 hs

O que está acontecendo com a Polícia do Ceará?

Diante do grave episódio registrado em Sobral, com o senador licenciado Cid Gomes (PDT) baleado num conflito com PMs amotinados, percebe-se um fato: há muito que se verifica, dentro da Corporação, células político-partidárias. Isso foi decorrência do processo democrático, mas, ao mesmo tempo, sabe-se que, na Constituição, manifestação política é proibida e, mais do que vetado ainda é fazer greve ou motim (Constituição Federal - art. 142, p. 3º, inciso IV).

O gesto de Cid foi precipitado, de alto teor emocional, mas nada justifica ser alvo de tiros. O ato de Sobral, com todas as reservas que se possa fazer, deve ser considerado como atentado. O que já era gravíssimo, ganhou maior proporção justamente no momento em que chegou ao poder um grupo político que prega a volta do autoritarismo, do estado policialesco e que não se intimida de seus atos extremados.

O que se vê no Ceará serviu para desnudar um fato: a política partidária contaminou mesmo o aparelho policial. O diálogo deve ser o antídoto.